Cerrado de Pé

Coleta que preserva e gera renda

Jader de Brito antes era agricultor e viu na coleta de sementes uma boa opção para obter mais rendimentos

A região da Chapada dos Veadeiros possui 12 mil espécies de plantas, das quais 4.400 genuínas do cerrado.  A coleta das sementes é uma fonte de renda que recupera a vegetação do cerrado e preserva o meio ambiente, por ter como principal objetivo a manutenção das espécies. O coletor de sementes, Jader de Brito, realiza a coleta desde 2013, participou de capacitações sobre o plantio e ficou esperançoso com a inauguração da Associação Cerrado de Pé, que ocorreu no dia 10 de junho, em São Jorge.

Pai de quatro filhos, Jader conta que antes era agricultor e viu na coleta de sementes uma boa opção para obter mais rendimentos. Hoje ele fatura cerca de R$ 4 mil por mês. Mas além da fonte de renda, ele lembra a importância de trabalhar com consciência e a certeza do benefício para a natureza e as próximas gerações. “Após as capacitações conhecemos quase todas as espécies de sementes do cerrado. A cooperativa nos dá o incentivo que precisamos e irá beneficiar muitas famílias”, disse.

Jader de Brito começou sem rendimentos e lembra que realizou a coleta de quase dois mil quilos de sementes de várias espécies no primeiro semestre deste ano. O coletor e outros 66 coletores da região da Chapada dos Veadeiros irão receber capacitação e apoio do Sebrae. A gestora do Projeto Brasil Central Turismo, Andrea Carneiro, conta que as 30 famílias participarão de capacitação para reposicionamento de mercado, do artesanato e turismo de experiência. “Os coletores receberão, até o fim do ano, diversas capacitações do Sebrae. As famílias serão estimuladas a se desenvolver como empreendedoras, além de promover o crescimento econômico da região da Chapada dos Veadeiros”.

Rede para preservação do cerrado

A Rede de Sementes do Cerrado é uma associação sem fins lucrativos que visa o fomento do comércio e a melhoria da qualidade das sementes e mudas de espécies nativas. A Rede incentiva e promove a conservação e recuperação do Cerrado, prestação de serviços referentes à conservação, promoção e exploração sustentada de plantas nativas; estudos e pesquisas referentes às plantas nativas, divulgação de informações técnicas e científicas, e a execução direta e indireta de projetos, programas e planos de ação pertinentes.

As ações da Rede englobam todas as fases da produção de mudas e comercialização de sementes, desde a caracterização de matrizes até o acompanhamento no seu destino final. A presidente da entidade, Ana Palmira Silva, realizou a entrega de 20% do valor do contrato para incentivo do trabalho realizado pelos coletores durante a inauguração da Associação Cerrado de Pé. “Várias empresas que precisam fazer a compensação ambiental já optam por manter a vegetação do cerrado. A Rede de Sementes está dando o impulso para que os trabalhadores, a partir de agora, tenham os recursos essenciais para o início dos trabalhos”, enfatiza.

O presidente da Associação Cerrado de Pé, Claudomiro Almeida, agradeceu o apoio. “A primeira parcela disponibilizada pela Rede de Sementes e a comercialização das sementes é primordial, com este recurso faremos a coleta de nove mil toneladas. O apoio do Sebrae também foi de grande importância para a criação da associação. Ano passado com as parcerias foram coletadas 12 mil toneladas e o objetivo é coletarmos 20 mil até o fim deste ano”.

 

Informações para a imprensa:

No Sebrae:

Adriana Lima – (62) 3250-2236 / 2252 / 99456-2491

Na Ideorama Comunicação: Rhaissa Silva– (62) 99118-0995